Artigos Científicos

ANÁLISE DE ARTIGOS PUBLICADOS SOBRE COVID-19 E DOR

Rosana Fontana
Traumatologista e ortopedista
Área de atuação em Dor

Latest EMA advice on the use of non-steroidal anti-inflammatories for COVID-19

Drug and Therapeutics Bulletin

Março de 2020

DOI: 10.1136/dtb.2020.000021

 

A Agência Europeia de Medicamentos emitiu recomendações sobre o uso de ibuprofeno e outros antiinflamatórios não-esteroides (AINEs) em pessoas infectadas com a doença do Coronavírus (COVID-19).

O artigo publicado afirma que atualmente não há evidências científicas que estabeleçam uma ligação entre o ibuprofeno e o agravamento da COVID-19. Aconselha que ao tratar a febre ou dor em pessoas com covido19, pacientes e profissionais de saúde devem levar em conta os danos e benefícios de todas as opções de tratamento disponíveis, incluindo o paracetamol e AINEs. As pessoas que foram aconselhadas a usar ibuprofeno por um profissional de saúde não devem, portanto, deixar de tomá-lo. A EMA está monitorando a situação de perto e irá rever qualquer nova informação que se torne disponível sobre este assunto no contexto da pandemia e a EFIC irá se certificar de manter todos atualizados, disponibilizando as notícias em nosso site.

Associations between immune-suppressive and stimulating drugs and novel COVID-19 

Beth Russell, Charlotte Moss, Gincy George, Aida Santaolalla, Andrew Cope, Sophie Papa e Mieke Van Hemelrijck

Ecancer Medical Science

https://dx.doi.org/10.3332%2Fecancer.2020.1022

 

Tipo de estudo:

Revisão sistemática

 

Nível de evidência:

3A (revisão sistemática de diversos tipos de estudo, incluindo estudos in-vitro-, case-, in-vivo, animal e humano).

Resultados:

  • AINEs: A pesquisa não identificou nenhuma evidência forte a favor ou contra o uso do ibuprofeno para o tratamento específico do COVID-19.
  • Corticosteróides: Algumas evidências de que os corticosteróides podem ser benéficos no tratamento da SRA-CoV. Entretanto, isto não é específico para o COVID-19.

Comentário:

Não há evidências definitivas de que AINEs ou corticosteróides estejam contraindicados na COVID-19.

Safety of ibuprofen in patients with COVID-19: causal or confounded?

Mohit Sodhi e Mahyar Etminan

Chest

31 de março de 2020 (publicação online)

https://doi.org/10.1016/j.chest.2020.03.040

 

Tipo de artigo:

Comentário

 

Nível de evidência:

5 (opinião de especialista sem avaliação crítica explícita ou baseada em pesquisa de bancada de fisiologia ou ciência básica)

 

Resultados:

Este comentário remonta as origens do alarme mundial em relação ao uso do ibuprofeno, começando com um twite do Ministro da Saúde francês que, após 4 jovens terem desenvolvido a doença grave COVID-19 após a ingestão de AINEs, informou que o ibuprofeno poderia agravar a infecção. O relatório, embora inédito, foi relatado no BMJ e endossado por especialistas da França e do Reino Unido, e pela OMS. Os autores criticam o baixo nível de evidência desses relatos, bem como a noção, publicada no The Lancet, de que o ibuprofeno poderia aumentar a infectividade do coronavírus ao aumentar a biodisponibilidade da enzima conversora da angiotensina (ACE), à qual o vírus se liga. Eles argumentam que tirar conclusões da farmacologia teórica é perigoso e pode levar a resultados errôneos, como a hipótese de que a co-administração de ibuprofeno e aspirina poderia neutralizar a eficácia antiplaquetária, que foi baseada nos níveis de tromboxano farmacológico, mas depois refutada em um ensaio controlado randomizado.

 

Implicações:

Ao invés de concluir que o ibuprofeno é seguro para a febre relacionada à COVID-19, os autores observam que as evidências epidemiológicas atuais “não são fortes o suficiente para inferir um elo causal de um efeito prejudicial do ibuprofeno na COVID-19”. Eles aconselham, entretanto, que pacientes com COVID-19 façam monoterapia com acetaminofeno para redução da febre.

 

Comentário:

Uma crítica muito interessante sobre os múltiplos vieses e insuficiências que têm poluído a literatura médica sobre este tema. É divertido, porém, que após uma análise tão clara os autores acabem recomendando a mesma abordagem -paracetamol (acetaminofeno) – que o ministro francês em seu twite inicial.

Cannabidiol as prophylaxis for SARS-CoV-2 and COVID-19? Unfounded claims versus potential risks of medications during the pandemic

Research in Social and Administrative Pharmacy

Joshua D.Brown

31 de março de 2020

https://doi.org/10.1016/j.sapharm.2020.03.020

 

Tipo de estudo:

Carta ao Editor

 

Nível de evidência:

5 (opinião de especialista sem avaliação crítica explícita ou baseada em pesquisa de bancada de fisiologia ou ciência básica)

 

Resultados:

Durante a pandemia de COVID-19, muitos pacientes podem procurar remédios naturais para se protegerem. O uso de produtos contendo canabinóides tem proliferado em meio a alegações de benefícios à saúde, incluindo “suporte” imunológico ou “reforço”. Canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC) têm propriedades farmacológicas complexas, incluindo efeitos anti-inflamatórios, que podem ser úteis em certas condições (incluindo doenças auto-imunes e neurodegenerativas). Entretanto, eles suprimem citocinas, quimiocinas, células T efetoras, e células microgliais, reduzindo a resposta do hospedeiro a patógenos, incluindo vírus como o SRA-CoV-2.

 

Implicações:

As evidências farmacológicas e clínicas atuais sugerem que a CDB e o THC diminuem a capacidade do organismo de combater infecções, em particular infecções virais e respiratórias. Em um ensaio clínico de canabidiol para epilepsia, as infecções respiratórias (pneumonia) foram mais de 30% mais comuns naqueles que receberam CBD versus placebo. O autor recomenda evitar o uso de canabinóides durante esta pandemia, a menos que medicamente apoiado por indicações reconhecidas (por exemplo, convulsões, câncer, dor crônica), e destaca as falsas alegações de marketing de benefício médico, incluindo “reforço do sistema imunológico” ou efeitos antivirais, que devem ser relatados aos órgãos reguladores.

 

Comentários:

Um resumo muito conciso, porém bem documentado, dos problemas potencialmente graves do marketing de saúde quando aplicado à maconha. A análise é centrada nos EUA, onde a publicidade e comercialização direta de medicamentos é maior do que na Europa.

Characteristics, symptom management and outcomes of 101 patients with COVID-19 referred for hospital palliative care

Natasha Lovell, Matthew Maddocks, Simon N. Etkind, Katie Taylor, Irene Carey, Vandana Vora, Lynne Marsh, Irene J. Higginson, Wendy Prentice, Polly Edmonds and Katherine E. Sleeman

Journal of Pain and Symptom Management

Abril de 2020

https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.04.015

 

Tipo de estudo:

Análise retrospectiva de 101 notas de casos médicos e de enfermagem por médicos-investigadores

 

Nível de evidência:

4 (série de casos)

 

Resultados:

Dos 101 pacientes com infecção por COVID-19 referidos para cuidados paliativos em fim de vida, 64 eram homens e 37 mulheres com uma idade média de 82 anos [72-89]. Os sintomas mais prevalentes foram, por ordem descendente, falta de ar, agitação, sonolência, dor e delírio. Além do tratamento não farmacológico, os pacientes receberam principalmente medicamentos que aliviam os sintomas com uma dose final mediana de 10 mg/24 h de morfina e 10 mg/24 h de midazolam. Os doentes passaram uma mediana de 2 [1-4] dias sob a equipa de cuidados paliativos e receberam 3 [2-5] contactos. 75 doentes morreram, 13 tiveram alta e 13 permaneceram sob cuidados paliativos em regime de internamento.

 

Implicações:

Esta análise retrospectiva de uma série de casos de pacientes COVID-19 que receberam cuidados paliativos em fim de vida em vez de um encaminhamento para uma enfermaria de cuidados intensivos dá algumas informações interessantes sobre o curso da doença, os principais sintomas sob os quais os pacientes sofrem, as medidas de tratamento necessárias e a sua eficácia.

 

Comentários:

Intrigante é a informação sobre os doentes em fim de vida com infecção por COVID-19 em comparação com os doentes de cuidados intensivos que recebem muito mais atenção dos meios de comunicação social. No entanto, fornece pouca informação nova para os cuidados paliativos comummente conhecidos. As terapias que foram iniciadas pertencem ao padrão dos cuidados de saúde.

Pain Management Best Practices from Multispecialty Organizations during the COVID-19 Pandemic and Public Health Crises

Steven P Cohen, Zafeer B Baber, Asokumar Buvanendran, Brian C McLean, Yian Chen, W Michael Hooten, Scott R Laker, Ajay D Wasan, David J Kennedy e Friedhelm Sandbrink

Pain Medicine

Julho de 2020

https://doi.org/10.1093/pm/pnaa127

 

Tipo de estudo:

Revisão narrativa

 

Nível de evidência:

5 (opinião de especialista sem avaliação crítica explícita ou baseada em pesquisa de bancada de fisiologia ou primeiros princípios)

 

Resultados:

Este consenso fornece uma boa visão geral sobre as precauções de segurança para reduzir os riscos de infecção com o SRA-CoV-2 para os clínicos que trabalham no tratamento da dor e para os doentes que tratam. Outras questões consideradas incluem problemas de fluxo de pacientes e planos de pessoal, opções de telemedicina, recomendações de triagem e utilização de recursos, e impactos na saúde mental tanto dos pacientes como dos profissionais de saúde. Orientação sobre a prescrição de opioides e uso de esteroides para intervenções é fornecida

 

Comentário:

O documento resume as opiniões de um painel de especialistas que incluiu especialistas em gerenciamento da dor das forças armadas, da Administração de Saúde dos Veteranos e do meio acadêmico nos EUA. Portanto, as recomendações refletem as práticas atuais nos EUA e podem não ser diretamente aplicáveis em outros ambientes.

Caring for patients with pain during the COVID‐19 pandemic: consensus recommendations from an international expert panel

H. Shanthanna , N. H. Strand , D. A. Provenzano , C. A. Lobo, S. Eldabe , A. Bhatia , J. Wegener, K. Curtis, S. P. Cohen e S. Narouze

Anesthesia

7 de abril de 2020

https://doi.org/10.1111/anae.15076

 

Tipo de estudo:

Recomendações práticas para ajudar no cuidado de pacientes com dor crônica durante a pandemia de COVID-19.

 

Nível de evidência:

5 (pareceres de peritos sem avaliação crítica explícita ou com base na investigação em fisiologia de bancada ou ciência básica).

 

Resultados:

Recomendações de consenso sobre uma série de tópicos, incluindo:consultas presenciais (não recomendadas) telemedicina (recomenda-se que se adapte aos regulamentos legislativos), gestão biopsicossocial (recomendada se for possível manter o distanciamento social ou recorrer a consultas à distância) manter uma revisão regular dos pacientes a quem são receitados opiáceos e que todos os pacientes recebam a sua prescrição de opiáceos para evitar a sua retirada; e os doentes podem continuar a receber AINE para o alívio da dor.

 

Comentário:

O documento dá uma visão geral da opinião dos peritos de um painel. No entanto, a dimensão do painel não é indicada. Embora a qualidade seja baixa, os dados constantes do documento podem constituir uma referência para comparação com qualquer prática local.

The role and response of palliative care and hospice services in epidemics and pandemics: a rapid review to inform practice during the COVID-19 pandemic

Simon N. Etkind, Anna E. Bone, Natasha Lovell, Rachel L. Cripps, Richard Harding, Irene J. Higginson e Katherine E. Sleeman

Journal of Pain and Symptom Management

8 de abril de 2020

https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.03.029

 

Tipo de estudo:

Uma rápida revisão sistemática da literatura de estudos de caso publicados, estudos transversais, estudos de coorte e estudos de intervenção.

 

Nível de evidência:

3A (revisão sistemática de estudos de casos-controle)

 

Resultados:

Dos 2207 estudos identificados, 36 foram submetidos a revisão de texto integral e 10 estudos foram finalmente selecionados para análise. Para orientar os hospícios e as equipes de cuidados paliativos, eles devem focar em:

  • Manter a capacidade de responder de forma rápida e flexível;
  • Assegurar protocolos para o manejo dos sintomas e apoio psicológico, e os não-especialistas são treinados em sua utilização;
  • Estar envolvidos na triagem;
  • Considerar a mudança de recursos do hospital para o ambiente comunitário;
  • Considerar a redistribuição de voluntários para prestar atendimento psicossocial;
  • Facilitar a camaradagem entre os funcionários e adotar medidas para lidar com o estresse;
  • Usar a tecnologia para se comunicar com pacientes e cuidadores; e
  • Adotar sistemas padronizados de coleta de dados para informar as mudanças operacionais e melhorar os cuidados.

 

Implicações:

As equipes de cuidados paliativos precisam ser flexíveis e redistribuir rapidamente os recursos diante das mudanças de necessidades durante uma pandemia, como a COVID-19. Atenção especial deve ser dada à triagem de pacientes, pessoal especializado em cuidados paliativos, carga de trabalho e estresse, alocação antecipada de espaço e equipamentos, e documentação padronizada dos dados.

 

Comentários:

Esta revisão rápida fornece orientações para os cuidados paliativos e equipes de cuidados paliativos para garantir que eles não fiquem sobrecarregados pelos rápidos acontecimentos de uma pandemia. Houve poucos detalhes sobre como os estudos foram selecionados para serem submetidos à revisão completa do texto. Além disso, havia apenas evidências limitadas e falta de dados quantitativos, nenhuma avaliação da qualidade dos estudos e nenhuma classificação das recomendações. O uso de um plano de tratamento paliativo desenvolvido pode ter sido utilizado como filtro para a seleção dos estudos. Apesar dessas limitações, este trabalho dá uma valiosa revisão da literatura relevante para os cuidados paliativos e fornece orientações importantes.

Acute use of non-steroidal anti-inflammatory drugs (NSAIDs) for people with or at risk of COVID-19

National Institute for Health and Care Excellence

14 de abril de 2020

ISBN: 978-1-4731-3763-9

 

Tipo de estudo:

Revisão sistemática

 

Resultados:

Uma pesquisa sistemática na literatura identificou 156 referências, mas não encontrou estudos que determinassem se o uso agudo de antiinflamatórios não esteróides (AINEs) está relacionado ao aumento do risco de desenvolvimento de COVID-19 ou ao aumento do risco de uma doença mais grave. Embora os AINEs possam reduzir os sintomas agudos de infecção aguda do trato respiratório (como a febre), eles podem não ter efeito ou piorar os resultados a longo prazo.

 

Implicações:

Quando as pessoas estão iniciando tratamento para febre e/ou dor com COVID-19 confirmado ou suspeito, todas as opções de tratamento, incluindo paracetamol e AINEs, devem ser consideradas e selecionadas com base no maior benefício em comparação com os danos potenciais usando cada medicamento.

 

Comentário:

AINEs são tratamentos comuns para dor, febre e inflamação. Em 14 de março de 2020, possíveis preocupações sobre seu uso em pessoas com COVID-19 foram levantadas devido a uma aparente piora observada na gravidade dos sintomas em pessoas que tomam medicamentos anti-inflamatórios. Atualmente não há evidências de que o uso agudo de AINEs cause um aumento do risco de desenvolver a COVID-19 ou de desenvolver uma doença mais grave da COVID-19.

Pain Management During the COVID-19 Pandemic in China: Lessons Learned

Xue-Jun Song, Dong-Lin Xiong, Zhe-Yin Wang, Dong Yang, Ling Zhou e Rong-Chun Li

Pain Medicine

26 de maio de 2020

https://doi.org/10.1093/pm/pnaa143

 

Tipo de artigo:

Relato de casos dos médicos sobre manejo da dor durante a pandemia do Covid-19

 

Nível de Evidência:

5 (Pareceres de peritos sem avaliação crítica explícita ou baseados em investigação de fisiologia de bancada ou ciência básica)

 

Resultados:

A maioria dos serviços médicos de Wuhan não diretamente envolvidos em cuidados intensivos, incluindo serviços de manejo de dor, foram parcialmente ou completamente fechados. Isto criou desafios para os médicos e outras pessoas com dor crônica. O departamento de medicina de dor encontrou que a generalização da dor pode ser um sintoma precoce da infecção do Covid-19.

Por outro lado, uma preocupação crescente é que a preocupação de perder outras condições médicas urgentes ou diagnósticos quando focados na avaliação para a infecção do Covid-19. Um caso de neuratoma medular torácico que permaneceu não diagnosticado devido as semelhanças na apresentação com o Covid -19 foi descrito. A pandemia forneceu aos médicos uma oportunidade para incorporar a telemedicina no manejo da dor pele primeira vez a necessidade urgente de promover remotamente serviços de cuidados de saúde. Os médicos precisam de considerar estratégias para incentivar as pessoas com problemas de saúde que necessitam de manejo a procurarem cuidados ambulatoriais, uma vez que muitos ainda estão, compreensivelmente, receosos de procurar cuidados de saúde presenciais. Podemos preparar-nos para ver mais doentes que anteriormente tinham a infecção COVID-19 a visitar a clínica da dor à medida que a epidemia abranda.

 

Comentário:

Assim como a investigação clínica, as experiências pessoais na pandemia também são importantes a partilhar. Os relatos de casos incluídos ilustram como a combinação de dor crônica e infecção COVID-19 pode desafiar o diagnóstico e o tratamento.

São relatadas estratégias benéficas para gerir a dor durante a pandemia COVID-19 e são discutidas recomendações baseadas nas lições aprendidas nos departamentos de medicina da dor dos hospitais de Wuhan e Shenzhen.

Headache medication and the COVID-19 pandemic

Antoinette MaassenVanDenBrink, Tessa de Vries e A. H. Jan Danser

Journal of Headache Pain

25 de abril de 2020

https://doi.org/10.1186/s10194-020-01106-5

 

Tipo de artigo:

Comentário, breve análise da literatura

 

Nível de provas:

5 (Pareceres de peritos sem avaliação crítica explícita ou baseados em investigação de fisiologia de bancada ou ciência básica)

 

População:

Pacientes com dores de cabeça crónicas e tratados com inibidores da ECA (ACE-I), bloqueadores dos receptores da angiotensina II (ARB) ou ibuprofeno

 

Resultados:

A preocupação surgiu devido a uma suposta ligação entre a utilização de inibidores do sistema renina-angiotensina (IECA, ARB) e ibuprofeno e um risco acrescido de infecção por COVID-19. Os autores discutem esta preocupação em relação ao tratamento da dor de cabeça e concluem que, com base nas provas atuais, não há razão para abandonar o tratamento com ACEI, ARB ou ibuprofeno em alquer tipo de doente, incluindo os doentes com cefaleias.

 

Implicações:

Os autores, de acordo com os conselhos das sociedades cardiovasculares internacionais, não vêem qualquer razão para alterar a prescrição destes medicamentos que têm um papel importante no tratamento da dor de cabeça.

 

Comentário:

Não há razão, empírica ou científica, para interromper um tratamento com IECA/ARB ou ibuprofeno em pacientes com infecção por COVID-19. A discussão sobre os mecanismos é curta mas sensata e rica. As conclusões estão em consonância com resultados recentes de Zhang et al (Circ. Res 2020, doi: 10.1161/CIRCRESAHA.120.317134.), que mostram ausência de complicações e até melhor resultado em pacientes hipertensos com Covid19 tratados com IECA/ARB.

Pain: A Potential New Label of COVID-19

Si Su, Huan Cui, Tao Wang, Xinhua Shen e Chao Ma

Brain, Behavior, and Immunity

Julho de 2020

https://doi.org/10.1016/j.bbi.2020.05.025

 

Tipo de estudo:

Carta ao editor

 

Nível de evidência:

5 (Opinião de especialista sem opinião crítica ou baseada em pesquisa de bancada de fisiologia ou primeiros princípios)

 

Resultados:

O coronavírus 2 (SARS-CoV-2), síndrome respiratória aguda grave, foi identificado como o patógeno da COVID-19. A proteína de pico deste vírus liga o receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2), mediando a entrada em células humanas. Estudos também detectaram o SARS-CoV-2 no líquido cefalorraquidiano de pacientes infectados. Embora a expressão do receptor ACE2 no sistema nervoso humano não tenha sido totalmente identificada, o ACE2 foi detectado em neurônios e micróglia no corno dorsal espinhal de camundongos.

O estudo sugere que o SARS-CoV-2 pode infectar as células ACE2-positivas no corno espinhal dorsal humano e diminuir a atividade funcional da ACE2 resultando no acúmulo de angiotensina-II e diminuição da angiotensina (1-7). Consequentemente, a infecção da SRA-CoV-2 na medula espinhal pode induzir dor.

 

Implicações:

A carga potencial de dor induzida pela COVID-19 não pode ser ignorada. Entretanto, o papel do receptor ACE2 na transmissão da dor e no controle da dor para pessoas infectadas pela SRA-CoV-2 precisa de mais estudos científicos e clínicos, a fim de orientar o tratamento e a política de saúde pública.

 

Comentário:

Ainda não há evidências definitivas sobre a importância deste mecanismo no ser humano, mas uma hipótese cientificamente sólida é proposta. No entanto, devemos ser cautelosos ao tirar conclusões da farmacologia mecanicista ou teórica, especialmente de roedores, pois vários exemplos mostram que tais evidências podem mais tarde ser refutadas por dados clínicos.

COVID-19 pandemic and therapy with ibuprofen or renin-angiotensin system blockers: no need for interruptions or changes in ongoing chronic treatments

Oliver Zolk, Susanne Hafner, Christoph Q. Schmidt, on behalf of the German Society for Experimental and Clinical Pharmacology and Toxicology (DGPT)

Naunyn Schmiedebergs Arch Pharmacology

15 de maio de 2020

https://dx.doi.org/10.1007%2Fs00210-020-01890-6

 

Tipo de estudo:

Revisão

 

Nível de evidência:

5 (Opinião de especialista sem opinião crítica ou baseada em pesquisa de bancada de fisiologia ou primeiros princípios)

 

Resultados:

Não há evidência científica que estabeleça uma ligação clara entre os bloqueadores do sistema renina-angiotensina (RAS) (incluindo bloqueadores dos receptores de angiotensina (ARBs), inibidores da enzima de conversão da angiotensina IECA), ou antiinflamatórios não-esteróides (NSAIDs) como o ibuprofeno e o agravamento da COVID-19. Em contraste, os dados experimentais apóiam a idéia de que o ACE-2 não só serve como receptor de entrada para a SRA-CoV-2, mas também protege os pulmões de lesões agudas e, portanto, pode ser benéfico na infecção pela COVID-19.

 

Implicações:

Os autores propõem que o tratamento eficaz com bloqueadores RAS não deve ser descontinuado ou trocado. Não há evidências suficientes para recomendar aos pacientes que tomam ibuprofeno por razões medicamente indicadas a mudança de seu medicamento anti-inflamatório à luz da pandemia da COVID-19. A escolha do medicamento para tratar a febre ou dor associada à COVID-19 deve ser baseada em uma avaliação de risco-benefício considerando os efeitos colaterais conhecidos (por exemplo, danos renais, ulceração gastrointestinal).

 

Comentário:

O risco hipotético de agravamento da COVID-19 não justifica a interrupção ou troca de bloqueadores RAS ou ibuprofeno. As mudanças de tratamento devem ser feitas à luz da avaliação de risco-benefício desses medicamentos para indivíduos.

COVID‐19 is a Real Headache!

Hayrunnisa Bolay, Ahmet Gül MD e Betül Baykan

The Journal of Head and Face pain

15 de maio de 2020

https://doi.org/10.1111/head.13856

 

Tipo de estudo:

Visões e perspectivas

 

Nível de evidência:

2A (revisão sistemática dos estudos de coorte)

 

Resultados:

Os sintomas iniciais relatados da infecção pelo SRA-CoV-2 eram principalmente respiratórios, e caracterizavam-se por febre, dor de garganta, tosse e dispneia. Outros sintomas, incluindo dor de cabeça, dor abdominal, diarreia, perda de gosto e cheiro, foram acrescentados como possíveis sintomas da COVID-19 ao longo do tempo. Os relatos de sintomas neurológicos estão aumentando rapidamente, e a dor de cabeça parece ser a mais comum. A dor de cabeça tem sido relatada em 11%-34% dos pacientes hospitalizados com COVID-19, porém as características clínicas dessas dores de cabeça não são relatadas. A experiência dos autores sugere características significativas da apresentação da dor de cabeça em pacientes sintomáticos da COVID-19 foram cefaleias novas, moderadamente graves, bilaterais com qualidade pulsante ou de pressão na região temporoparietal, testa ou periorbital. As características mais marcantes da dor de cabeça foram o início variável e a má resposta aos analgésicos comuns, ou a alta taxa de recidivas, que foi limitada à fase ativa da COVID-19.

 

Implicações:

Como um sintoma comum não respiratório da COVID-19, a dor de cabeça não deve ser negligenciada, e suas características devem ser registradas com escrutínio. Se a dor de cabeça for ignorada como um sintoma da COVID-19, pode haver atraso no diagnóstico, levando a novos casos de infecção na comunidade.

 

Comentário:

As características clínicas da dor de cabeça relacionada à COVID-19 não têm sido bem documentadas. Uma vinheta de caso é descrita e vários possíveis mecanismos fisiopatológicos são propostos a partir de considerações teóricas.

Radiotherapy for pain relief from bone metastases during Coronavirus (COVID-19) pandemic

Carla Germana Rinaldi, Edy Ippolito, Carlo Greco, Paolo Matteucci, Rolando Maria D’Angelillo e Sara Ramella

European Journal of Pain

16 de maio de 2020

https://doi.org/10.1002/ejp.1589

 

Tipo de artigo:

Carta ao Editor

 

População:

Pacientes com dor de câncer por metástases ósseas

 

Intervenção:

Radioterapia para dolorosas metástases ósseas

 

Resultados:

As metástases ósseas são uma complicação comum do câncer avançado que causam compressão da medula espinhal, desequilíbrios eletrolíticos que ameaçam a vida, fratura patológica e dor severa. Os tratamentos por etapas são opióides/AINES, bisfosfonatos, quimioterapia e terapia hormonal, radiação e cirurgia. A radioterapia paliativa para metástases ósseas dolorosas não complicadas produz paliação significativa para aproximadamente 70% das pessoas e alívio completo da dor para 10-35%. Em RCTs anteriores, tanto a radioterapia de fração única como a de fração múltipla eram eficazes para dor em metástases ósseas, a fração múltipla é melhor apenas para pacientes com metástases complicadas, dor neuropática ou compressão de cordas.

No contexto da atual epidemia de COVID-19, esta escolha deve ser ponderada com os riscos de infecção dos pacientes com câncer devido a um sistema imunológico comprometido. Em pacientes com compressão de cordas e mau prognóstico de sobrevivência, uma única fração de 8 Gy foi encontrada tão eficaz quanto os regimes multifracionados, minimizando ao mesmo tempo as múltiplas visitas de tratamento.

Implicações: A fim de minimizar a exposição de pessoas com metástases ósseas à COVID-19 sem comprometer o resultado oncológico, a escolha de uma radioterapia paliativa com 8 Gy em uma única fração pode ser a mais razoável, com boa eficácia e redução da duração da exposição dos pacientes ao ambiente hospitalar e ao contágio.

 

Comentário:

O National Institute for Health and Care Excellence (NICE) no Reino Unido recomendou o uso de radioterapia “somente se inevitável” (Mahase E BMJ. 2020 Abr 1;369:m1338.). Na luz da literatura, este relatório recomenda o uso de radioterapia de fração única 8 Gy em vez de horários mais longos como um procedimento mais seguro e razoável para metástases ósseas dolorosas refratárias à medicação para dor ou com compressão da medula espinhal, durante a epidemia de COVID-19.

Particularmente importante, os riscos e benefícios da radioterapia devem ser sempre discutidos com pacientes e funcionários, e medidas adequadas de prevenção e proteção devem ser fornecidas aos pacientes e técnicos de radioterapia. A sala de tratamento de radioterapia e as áreas próximas devem ser higienizadas durante os intervalos de tratamento, e o tempo que os pacientes passam na sala de espera deve ser minimizado. Um local dedicado para pacientes com câncer separado de outros pacientes hospitalarizados deve ser assegurado.

Model based approach for estimating the dosage regimen of indomethacin a potential antiviral treatment of patients infected with SARS CoV-2

Roberto Gomeni, Tianhong Xu, Xuejuan Gao e Françoise Bressolle-Gomeni

Journal of Pharmacokinetics and Pharmacodynamics

20 de maio de 2020

https://dx.doi.org/10.1007%2Fs10928-020-09690-4

 

Tipo de estudo:

Mini-revisão e modelo teórico de dosagem ideal

 

População:

Estudos in vitro, estudos in vivo com animais

 

Resultados:

Indometacin, um medicamento anti-inflammatory, tem sido usado como tratamento sintomático para melhorar a oxigenação em pacientes com angústia respiratória aguda [Hanly et al Lancet 1987; Steinberg et al Circ Shock 1990] e para reduzir os níveis de interleucina-6 proinflammatory [Sacerdote et al Inflamm Res 1995]. Além disso, a indometacina demonstrou ter propriedades antivirais in-vitro potentes contra a SRA humana-CoV-1, CCoV canino, e mais recentemente contra a SRA humana CoV-2 [Amici et al Antivir Ther. 2006, Xu et al Front Med J. 2020].

Neste artigo, os autores propõem a indometacina como um candidato promissor para o tratamento da SRA-CoV-2 e tentam fornecer critérios para comparar benefits de regimes de dosagem alternativos usando uma abordagem baseada em modelos. Eles caracterizam % de recuperação e carga viral em cães infectados com CCoV, para estimar a PK da indometacina em cães e humanos usando dados publicados após a administração de formulações de liberação imediata (IR) e sustentada (SR), e para estimar a atividade antiviral esperada em função de diferentes suposições sobre a exposição efetiva em humanos.

 

Implicações:

Se a indometacina se provar ativa contra o SARS CoV-2 em humanos, os melhores regimes teóricos de dosagem modelados foram 50 mg três vezes ao dia para a formulação de IR, e 75 mg duas vezes ao dia para a formulação de SR.

 

Comentário:

O principal interesse deste artigo está na lista de referência, que fornece dados publicados sobre a eficácia da Indometacin em vários coronavírus, incluindo COVID-1 e COVID-2, in vitro, em cães, e potencialmente em humanos. Caso o ensaio clínico atual usando indometacina (que começou em abril de 2020) seja positivo, este estudo fornece uma base PK/PD para determinar os melhores regimes terapêuticos. Particularmente, a indometacina tem um índice de toxicidade maior do que outros AINEs, incluindo o ibuprofeno (especialmente relacionado à IG) e a dosagem recomendada é relativamente alta. Portanto, uma droga gastroprotetora também deve ser indicada.

Management of Osteoarthritis During the COVID-19 Pandemic

Enrico Ragni, Laura Mangiavini, Marco Viganò, Anna Teresa Brini, Giuseppe Michele Peretti, Giuseppe Banfi e Laura de Girolamo.

Clinical Pharmacology & Therapeutics

21 de maio de 2020

https://doi.org/10.1002/cpt.1910

 

Tipo de estudo:

Revisão

 

Nível de evidência:

3A (revisão menos sistemática de uma variedade de desenhos de estudo, incluindo in-vitro, in-vivo, animal e humanos).

 

População:

Pessoas com osteoartrose

 

Resultados:

  • AINES: Nenhuma evidência para descontinuação
  • Corticosteroides: Nenhuma evidência de descontinuação do tratamento sistêmico
  • Opiáceos: Nenhuma evidência de descontinuação – os autores recomendam opioides fracos, sem atividade imunossupressora
  • Anticorpos Monoclonais (mAbs): Nenhuma evidência para o uso experimental de mAbs em pacientes com OA e COVID-19, exceto o uso compassivo ou dentro de ensaios clínicos

 

Comentário:

Este artigo não acrescenta novas descobertas à literatura existente, mas oferece uma boa revisão única para o cuidado específico de pacientes com osteoartrose. Em geral, as terapias para a osteoartrite parecem ser seguras e não há nenhuma indicação clara para evitar a prescrição ou sugerir a interrupção das terapias farmacológicas existentes devido à infecção COVID-19 ou suas complicações.

A preferência dos autores por opióides fracos sem atividade imunossupressora é uma opinião subjetiva e pode estar relacionada à dosagem. Opióides fracos em altas doses podem ter efeitos similares aos opióides fortes em baixas doses. Embora opioides diferentes variem em seus efeitos no sistema imunológico, qualquer relevância clínica ainda é incerta.

Os autores reconhecem que as decisões precisam ser examinadas no pico inflamação da infecção pela COVID-19.

Perspectives of patients with rheumatic diseases in the early phase of COVID‐19.

Anna Antony , Kathryn Connelly , Thilinie De Silva , Laura Eades , William Tillett e Sally Ayoub.

Arthritis Care & Research

11 de junho de 2020

https://doi.org/10.1002/acr.24347

 

Tipo de estudo:

Pesquisa on-line de pacientes reumatologicos

 

Nível de evidência:

Nível 4 (série de casos ou estudo de coorte ou de controle de casos de má qualidade)

 

População:

Pacientes reumatológicos em um grande hospital terciário na Austrália

 

Abordagem metodológica:

As pessoas foram convidadas a completar uma pesquisa que avaliou suas preocupações em relação aos riscos conferidos por sua condição reumatológica ou medicamentos, o impacto do recebimento de informações sobre a probabilidade de continuação da medicação durante a pandemia COVID-19, e a aceitação da telesaúde.

 

Resultados:

A taxa de resposta foi de 21% (550/2630 pessoas). Para a maioria das pessoas (63,8%) foi prescrita mais de uma droga anti-reumática sintética convencional modificadora de doenças e 17,8% foi prescrita uma droga anti-reumática biológica ou sintética direcionada. O uso de prednisolona e antiinflamatórios não-esteróides (AINEs) foi relatado por 26,7% e 22,4% das pessoas, respectivamente.

41% das pessoas estavam preocupadas que sua doença reumatológica aumentasse seu risco de infecção por COVID-19 e a gravidade da infecção (52,3%). Mais pessoas estavam preocupadas que seus medicamentos aumentassem o risco de infecção por COVID-19 (55,7%), enquanto 76,1% estavam preocupadas que os medicamentos aumentassem a gravidade da infecção.

A maioria das pessoas (61%) tinha recebido informações sobre o impacto da COVID-19 nas condições reumatológicas. A telesaúde foi considerada apropriada para quase todas as pessoas (98,4%) durante a pandemia.

 

Comentários:

Este artigo exemplifica as preocupações de que as condições reumatológicas e/ou seus medicamentos possam aumentar o risco para a COVID-19 e sua gravidade. Compreensivelmente, algumas pessoas podem considerar parar seus medicamentos e correr o risco de complicações subsequentes ou de agravamento de sua doença subjacente.

The Effect of the COVID-19 Pandemic on Electively Scheduled Hip and Knee Arthroplasty Patients in the United States

Timothy S Brown  Nicholas A BedardEdward O RojasChristopher A AnthonyRan SchwarzkopfC Lowry BarnesJeffrey B StamboughSimon C MearsPaul K EdwardsSumon NandiHernan A PrietoJavad Parvizi e AAHKS Research Committee

The Journal of Arthroplasty

22 de abril de 2020

https://doi.org/10.1016/j.arth.2020.04.052

 

Tipo de estudo:

Pesquisa

 

Nível de evidência:

2C (Estudo Ecológico)

 

População:

Pacientes aguardando artroplastia eletiva de quadril e joelho

 

Intervenção:

Uma pesquisa (eletronicamente ou por telefone) aos pacientes que aguardam uma substituição de quadril ou joelho para avaliar a dor, ansiedade, função física e capacidade econômica para se submeterem a uma cirurgia retardada.

 

Resultados:

Os hospitais nos Estados Unidos – semelhantes aos hospitais em muitos outros países – deixaram de realizar procedimentos eletivos quando a COVID-19 foi declarada pandêmica. Isto levou ao adiamento de um grande número de artroplastias de quadril e joelho entre março e julho de 2020 e ao aumento dos tempos de espera. Seis instituições distribuíram a pesquisa e 360 pacientes responderam.

A maioria dos pacientes estava ansiosa com a incerteza de quando sua cirurgia adiada teria lugar. Enquanto 85% da amostra concordava com o adiamento da cirurgia de acordo com os conselhos de saúde pública, 90% planejavam remarcar sua cirurgia o mais rápido possível. Os pacientes nos Estados do Nordeste estavam mais preocupados em contratar a COVID-19 durante sua internação hospitalar. Os pacientes mais jovens estavam mais ansiosos sobre a situação financeira e a segurança no emprego e seu impacto em poder arcar com os custos da futura cirurgia.

 

Implicações:

A pandemia da COVID-19 tem um impacto significativo nos pacientes com osteoartrite de quadril e joelho que têm que esperar na incerteza até que sua cirurgia seja remarcada. Apoiar indivíduos durante este tempo com o manejo da dor é muito importante em termos de bem-estar físico e emocional.

 

Comentário:

Esta pequena pesquisa oferece uma visão do impacto que a COVID-19 está tendo nos pacientes com osteoartrose do joelho e do quadril que necessitam de cirurgia. O resultado de que 90% da amostra irá reprogramar sua cirurgia o mais rápido possível é interessante à luz do debate nas mídias sociais de que a COVID-19 poderia levar a uma redução no número de procedimentos de dor musculoesquelética. Uma limitação deste estudo é que ele não revela quantos indivíduos receberam a pesquisa, de modo que não podemos avaliar a taxa de resposta.

 

The emerging spectrum of COVID-19 neurology: clinical, radiological and laboratory findings.

Ross W Paterson, Rachel L Brown, Laura Benjamin, Ross Nortley, Sarah Wiethoff, Tehmina Bharucha, Dipa L Jayaseelan, Guru Kumar, Rhian E Raftopoulos e Laura Zambreanu.  

Brain

8 DE JULHO DE 2020

https://doi.org/10.1093/brain/awaa240

 

Tipo de estudo:

Série de casos

 

Nível de evidência:

4 (Série de casos)

 

População:

Pacientes com COVID-19 apresentando síndromes neurológicas

 

Resultados:

Dados clínicos e paraclínicos coletados de 43 casos consecutivos com COVID-19 confirmados através de RNA PCR, ou com doença provável/possível de acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde, e que apresentam sintomas neurológicos. Cinco categorias principais são descritas:

(i) encefalopatias (n= 10) com delírio/psicose e sem anormalidades distintas de ressonância magnética ou LCR, com 9 pacientes fazendo uma recuperação total ou parcial apenas com cuidados de suporte;

(ii) síndromes inflamatórias do SNC (n= 12), incluindo encefalite, encefalomielite aguda disseminada e mielite isolada. Destes, 10 foram tratados com corticosteroides, e um paciente morreu;

(iii) derrames isquêmicos (n= 8) associados a um estado pró-trombótico (quatro com tromboembolismo pulmonar), um dos quais morreu;

(iv) distúrbios neurológicos periféricos (n= 8), sete com síndrome de Guillain-Barré, um com plexopatia braquial, seis fazendo uma recuperação contínua; e

(v) desordens centrais diversas (n=5) que não se enquadravam nas categorias acima.

 

Implicações:

Tais síndromes têm semelhanças com aquelas descritas nas outras epidemias de coronavírus (síndrome respiratória aguda grave (SARS) em 2003, e síndrome respiratória aguda do Oriente Médio (MERS) em 2012). Entretanto, o número total de indivíduos infectados foi muito menor, e as apresentações neurológicas foram poucas em comparação com as que foram reconhecidas na atual pandemia.

 

Comentários:

Este é provavelmente o relatório clínico mais detalhado sobre a natureza das síndromes neurológicas associadas à COVID-19. Para ser contrastado com o relatório anterior do grupo de Strasbourg (Helms et al. NEJM 2020) que descreveu essencialmente encefalopatia com agitação, confusão e sinais do trato corticospinal em 64 pacientes, assim como outros relatórios menos abrangentes (Guan et al. NEJM 2020; Mao et al. JAMA Neurol 2020; Varatharaj et al., Lancet Psyc).

Home-based management of knee osteoarthritis during COVID-19 pandemic: literature review and evidence-based recommendations.

Theofilos Karasavvidis, Michael T. Hirschmann, Nanne P. Kort, Ioannis Terzidis e Trifon Totlis.

Journal of Experimental Orthopaedics

19 de julho de 2020

https://doi.org/10.1186/s40634-020-00271-5 

 

Tipo de estudo:

Artigo de revisão

 

Nível de evidência:

5 (Revisão narrativa sistemática)

 

Resultados:

As estratégias de gerenciamento identificadas incluem exercício, nutrição adequada, fisioterapia e uso de órteses corretivas e de assistência.

Métodos de telemedicina podem ser considerados para fornecer conselhos de autogestão a pacientes com osteoartrite do joelho que tiveram sua cirurgia adiada. Programas de exercícios em casa que consistem de uma combinação de trabalho aeróbico, resistência e flexibilidade devem ser considerados.

Quando pacientes com osteoartrose do joelho têm obesidade mórbida, uma abordagem combinada de exercícios e dieta para incentivar a perda de peso pode ser considerada.

O papel dos joelheiras, faixas, órteses de pé, calçados, auxiliares de caminhada e calor é incerto em termos de dor, incapacidade e qualidade de vida.

 

Comentário:

Este artigo de revisão fornece uma visão geral das opções não-farmacológicas para o tratamento da osteoartrose do joelho em casa. Exercício e educação virtual parecem ser as intervenções mais promissoras com as mais fortes evidências de suporte. Entretanto, o artigo de revisão carece de um risco de avaliação tendenciosa e análises agrupadas e, portanto, a verdadeira eficácia de qualquer uma das estratégias propostas permanece incerta.

Telehealth for musculoskeletal physiotherapy.

Michelle A. Cottrella, Trevor G.Russellbc.

Musculoskeletal Science and Practice

Agosto de 2020

https://doi.org/10.1016/j.msksp.2020.102193

 

Tipo de estudo:

Classe mestre / visão geral não sistemática

 

Nível de evidência:

5 (Parecer de especialista)

 

Resultados:

A telemedicina é definida como a “prestação de serviços de saúde à distância utilizando tecnologia de informação e comunicação”. Revisões sistemáticas publicadas mostram que a entrega de intervenções através de métodos de telemedicina produz efeitos semelhantes sobre a dor e a incapacidade como intervenções face a face em pacientes com dor lombar e osteoartrose de quadril/joelho. Isto é baseado em evidências de baixa certeza e são necessários testes de maior qualidade.

Uma revisão sistemática [Mani S et al. J Telemed Telecare 2017; 23(3): 379-391] constatou que as avaliações de telemedicina têm boa validade simultânea para dor, inchaço, amplitude de movimento, força muscular, equilíbrio, marcha e avaliação funcional. No entanto, apenas a validade concomitante baixa a moderada foi demonstrada para testes ortopédicos especiais, testes neurodinâmicos e postura lombar.

Há uma alta satisfação com intervenções de telemedicina entre indivíduos com condições musculoesqueléticas. As barreiras para o envolvimento dos pacientes com telemedicina incluem alfabetização informática, idade avançada, níveis de educação mais baixos e falta de confiança no médico. As barreiras fisioterapêuticas ao envolvimento com a telemedicina incluem falta de disposição para mudar a prática clínica atual, baixa confiança na tecnologia e preocupações com a segurança e privacidade do paciente.

Ao escolher uma plataforma de telemedicina, os fisioterapeutas devem considerar os componentes necessários para sua avaliação (por exemplo, variedade de recursos de movimento), regulamentação nacional de privacidade e segurança para a transferência e armazenamento de informações do paciente, usabilidade para o paciente, custo, funcionalidade (pode ser usado em diferentes navegadores e tem múltiplas características, incluindo agendamento de consultas).

 

Implicações:

A telemedicina parece ser uma alternativa útil para consultas e intervenções face a face em termos de eficácia no tratamento das condições de dor musculoesqueléticas.

 

Comentário:

Este documento fornece uma visão geral útil da atual base de evidências da eficácia das intervenções de telemedicina para o tratamento da dor e da incapacidade entre pacientes com condições musculoesqueléticas. O artigo destaca os resultados de revisões sistemáticas publicadas mostrando que as intervenções de telemedicina proporcionam efeitos semelhantes à reabilitação face a face.

Os autores mencionam especificamente as limitações na base de evidências e solicitam a realização de testes de alta qualidade antes que qualquer conclusão definitiva possa ser tirada. O artigo apresenta dicas muito práticas para escolher uma plataforma de telemedicina e implementar a telemedicina na prática da fisioterapia.

NSAIDs in patients with viral infections, including Covid-19: Victims or perpetrators?

Capuano A, Scavone C, Racagni G, Scaglione F.

Italian Society of Pharmacology

29 de abril de 2020

https://doi.org/10.1016/j.phrs.2020.104849

 

Resumo:

Tomar medicamentos anti-inflamatórios, inclusive não esteroides (AINEs), durante a infecção por Covid-19: quanto é ariscado? O Ministro da Saúde francês, que lançou um alarme sobre um possível risco derivado do uso do ibuprofeno para o controle da febre e outros sintomas durante a doença, abriu o debate há alguns dias.

 

Comentário:

Neste documento examinamos as evidências disponíveis de estudos pré-clínicos e clínicos que haviam analisado o papel do COX no processo inflamatório e os efeitos dos AINEs em pacientes com infecções. A maioria dos estudos publicados que sugeriram efeitos não protetores dos AINEs foram realizados principalmente in vitro ou em animais. Portanto, seu significado em humanos deve ser considerado com grande cautela. Com base também em dados que sugerem efeitos protetores dos AINS, concluímos que atualmente não há evidências que sugiram uma correlação entre os AINS e um agravamento das infecções. Certamente serão necessários mais estudos para definir melhor o papel dos AINEs e particularmente dos inibidores de COX2 em pacientes com infecções. Entretanto, devemos aguardar os resultados da revisão iniciada pelo PRAC em maio de 2019 sobre a associação ibuprofeno/Cetoprofeno e o agravamento das infecções. Como atualmente nenhuma evidência científica estabelece uma correlação entre AINEs e o agravamento da COVID-19, os pacientes devem ser aconselhados contra qualquer auto-medicação de AINEs quando sintomas como a COVID-19 estão presentes.

Availability of Internationally Controlled Essential Medicines in the COVID-19 Pandemic

Pettus K, Cleary JF, de Lima L, Ahmed E, Radbruch L.

Journal of Pain and Symptom Management

30 de abril de 2020

https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.04.153

 

Resumo:

A seção 2 do Modelo de Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde de 2019 inclui formulações de analgésicos opióides comumente usados para o controle da dor e do desconforto respiratório, bem como substâncias sedativas e ansiolíticas como midazolam e diazepam. Estes medicamentos, essenciais aos cuidados paliativos, são regulamentados sob as convenções internacionais de controle de drogas supervisionadas por agências especializadas e órgãos de tratados das Nações Unidas e sob as leis nacionais de controle de drogas. Essas leis e regulamentos nacionais afetam diretamente a disponibilidade de medicamentos essenciais controlados internacionalmente (ICEMs). A complexa interação entre sistemas regulatórios nacionais e cadeias de fornecimento globais (agora impactada pela pandemia de COVID-19) afeta diretamente a disponibilidade de ICEMs e o atendimento ao paciente. Apesar de décadas de defesa global da sociedade civil no sistema das Nações Unidas, os ICEMs têm permanecido cronicamente indisponíveis e inacessíveis em países de baixa e média renda, e há relatos recentes de escassez também em países de alta renda. Os sintomas mais prevalentes na COVID-19 são falta de ar, tosse, sonolência, ansiedade, agitação e delírio. Os medicamentos freqüentemente utilizados incluem opióides como morfina ou fentanil e midazolam, todos eles listados como ICEMs. Este documento descreve as questões relacionadas à falta de disponibilidade e acesso limitado aos ICEMs durante a pandemia de COVID-19 tanto em pacientes de cuidados intensivos como paliativos em países de todos os níveis de renda e faz recomendações para melhorar o acesso.

Identifying rheumatic disease patients at high risk and requiring shielding during the COVID-19 pandemic

Elizabeth Price, Elizabeth MacPhie, Lesley Kay, Peter Lanyon, Bridget Griffiths, Christopher Holroyd, Abhishek Abhishek, Taryn Youngstein, Kathryn Bailey, Jacqui Clinch, Muddassir Shaikh and Ali Rivett

Clinical Medicine Journal

Maio de 2020

https://doi.org/10.7861/clinmed.2020-0149

 

 

Resumo:

As equipes de reumatologia cuidam de pacientes com doenças autoimunes diversas e sistêmicas que são frequentemente imunossuprimidas e com alto risco de infecções. A atual pandemia da COVID-19 tem apresentado desafios particulares no cuidado e gerenciamento deste grupo de pacientes. O escritório do diretor médico (CMO) da Inglaterra entrou em contato com a comunidade reumatológica para fornecer conselhos especializados sobre a identificação de pacientes extremamente vulneráveis a um risco muito alto durante a pandemia da COVID-19, que deveriam ser “protegidos”. Isto envolve que os pacientes sejam solicitados a se auto-isolarem estritamente por pelo menos 12 semanas com apoio financeiro adicional fornecido para que permaneçam em casa. Um grupo de reumatologistas (os autores) elaboraram um guia pragmático para identificar o grupo de maior risco usando um sistema de pontuação rapidamente desenvolvido que foi ao ar simultaneamente com o anúncio do governo sobre proteção e foi em cascata para todos os reumatologistas que trabalham na Inglaterra.

Managing patients with rheumatic diseases during the COVID-19 pandemic: The French Society of Rheumatology answers to most frequently asked questions up to May 2020

Christophe Richez, René-Marc Flipo, Francis Berenbaum, Alain Cantagrel, Pascal Claudepierre, Françoise Debiais, Philippe Dieudé, Philippe Goupille, Christian Roux, Thierry Schaeverbeke, Daniel Wendling, Thao Pham, ThierryThomas

Joint Bone Spine

19 de maio de 2020

https://doi.org/10.1016/j.jbspin.2020.05.006

 

Resumo:

Antecedentes: Os reumatologistas devem enfrentar a pandemia de COVID-19 no manejo de seus pacientes e muitas questões foram levantadas sobre o uso tanto de anti-inflamatórios quanto de medicamentos anti-reumáticos modificadores de doenças (DMARD). A Sociedade Francesa de Reumatologia (SFR) selecionou as mais críticas para a prática diária de um reumatologista e um grupo de 10 especialistas dos conselhos de SFR e Club Rheumatism and Inflammation (CRI) propuseram respostas baseadas no conhecimento atual de maio de 2020.

 

Procedimento básico:

Após a disponibilidade das primeiras 18 perguntas e declarações, 1400 pessoas consultaram as perguntas mais freqüentes entre 31 de março de 2020 e 12 de abril de 2020. Como resultado, 16 perguntas adicionais foram encaminhadas ao SFR, e respondidas pelo conselho. Uma rodada adicional de revisão por e-mail e videoconferência foi organizada, que incluiu atualizações das declarações anteriores. A relevância científica de 5 das perguntas levou à sua inclusão neste documento. Cada resposta recebeu uma avaliação final em uma escala de 0-10, com 0 significando nenhum acordo e 10 estando em total concordância. Os valores médios desses votos para cada pergunta são apresentados como os níveis de concordância (LoA) no final de cada resposta. Este documento foi atualizado pela última vez em 17 de abril de 2020.

 

Principais conclusões:

Com base na literatura científica atual já publicada, na maioria das circunstâncias, não há contra-indicação para o início ou continuação de medicamentos anti-inflamatórios, bem como DMARDs. Se sinais sugestivos de infecção (coronavírus ou outros) ocorrerem, os tratamentos devem ser interrompidos e retomados, se necessário, após 2 semanas sem quaisquer sintomas. Apenas alguns sinais sugerem que as pessoas que tomam uma dose imunossupressora de terapia com corticosteróides correm maior risco de desenvolver COVID-19 grave. Injeções intra-articulares de glicocorticóides são permitidas quando não há alternativa terapêutica razoável, e desde que sejam adotadas precauções para proteger o paciente e o profissional contra a contaminação viral, incluindo informações apropriadas para o paciente.

Os dados atualmente disponíveis sobre o manejo de pacientes com doenças reumáticas durante a pandemia de COVID-19 são tranquilizadores e apoiam a continuidade ou o início de tratamentos sintomáticos ou específicos destas doenças, sendo o principal alvo de seu manejo o controle apropriado, mesmo durante esta pandemia.

Emergence from the COVID-19 Pandemic and the Care of Chronic Pain: Guidance for the Interventionalist

Timothy R Deer, Dawood Sayed, Jason E Pope, Krishnan V Chakravarthy, Erika Petersen, Susan M Moeschler, Alaa Abd-Elsayed, Kasra Amirdelfan, Nagy Mekhail, ASPN COVID Workgroup

Anesthesia & Analgesia

21 de Maio de 2020

https://doi.org/10.1213/ane.0000000000005000

 

Introdução:

A atual pandemia de coronavírus (COVID-19) levou a uma interrupção significativa no tratamento da dor de condições crônicas e subagudas. O impacto desta interrupção do tratamento da dor pode ter conseqüências não intencionais do aumento da dor, redução da função, aumento da dependência de medicamentos opióides e potencial aumento da morbidade, devido ao impacto sistêmico da carga da doença não tratada. Isto pode incluir diminuição da mobilidade, redução do estado geral de saúde e aumento do uso de opiáceos com os riscos associados.

Métodos:

O artigo é o trabalho da “American Society of Pain and Neuroscience (ASPN) COVID-19 Task Force” para avaliar as políticas estabelecidas por agências federais, estaduais e locais para reduzir ou eliminar procedimentos eletivos para aqueles pacientes com dor da coluna vertebral, nervo e doença articular. O impacto dessas decisões, que eram necessárias para reduzir a propagação da pandemia, levou a um atraso no atendimento de muitos pacientes. Por isso, revisamos um plano de emergência para reiniciar esses cuidados relacionados à dor. O objetivo é delinear um caminho para trabalhar com as autoridades federais, estaduais e locais para combater a propagação da pandemia e minimizar o impacto deletério da dor e do sofrimento em nossos pacientes com dor crônica.

Resultado:

O documento estabelece uma estratégia para que os centros intervencionistas da dor ressurjam da atual pandemia e estabeleçam um rumo para eventos futuros.

Medications in COVID-19 patients: summarizing the current literature from an orthopaedic perspective

Si Heng Sharon Tan, Choon Chiet Hong, Soura Saha, Diarmuid Murphy e James Hoipo Hui

International Orthopaedics

22 de maio de 2020

https://doi.org/10.1007/s00264-020-04643-5

 

Resumo

Objetivo:

A revisão tem como objetivo fornecer um resumo da literatura atual sobre medicamentos comuns prescritos em cirurgia ortopédica e suas potenciais implicações nos pacientes da COVID-19.

Métodos:

Uma revisão sistemática foi realizada utilizando as diretrizes do PRISMA. Todos os estudos clínicos, revisões, consenso e diretrizes relacionadas com os medicamentos acima e a COVID-19 foram incluídos.

Resultados:

Um total de 18 artigos foi incluído. O uso de analgesia, antiinflamatórios, esteroides, anticoagulantes, antibióticos, vitamina B, vitamina C e vitamina D e seu potencial impacto sobre os pacientes da COVID-19 foram relatados.

Conclusão:

Oito recomendações principais foram derivadas da revisão.

  • Primeiramente, o paracetamol continua sendo a primeira linha de analgesia e antipirético.
  • Em segundo lugar, não há necessidade de evitar os AINE para os pacientes com COVID-19.
  • Em terceiro lugar, os opioides têm o potencial para imunossupressão além da depressão respiratória e, portanto, devem ser prescritos com cuidado em pacientes com COVID-19.
  • Em quarto lugar, pacientes com condições onde os esteroides são comprovadamente eficazes podem continuar a receber seus esteroides; caso contrário, os esteroides sistêmicos não são recomendados para pacientes com COVID-19.
  • Em quinto lugar, os cirurgiões ortopédicos que acompanham os pacientes com COVID-19 que estão usando esteroides devem continuar a acompanhá-los para uma possível necrose avascular.
  • Em sexto lugar, sempre que possível, a anticoagulação oral deve ser convertida em heparina parenteral.
  • Em sétimo lugar, antibióticos ortopédicos comuns, incluindo penicilina e clindamicina, são seguros para continuar para os pacientes com COVID-19. Entretanto, para pacientes com COVID-19, os antibióticos podem potencialmente ser trocados por macrolídeos e tetraciclinas se os organismos forem sensíveis.
  • Finalmente, a prescrição de vitaminas B, C e D deve continuar de acordo com a prática clínica habitual.

Daring discourse: are we ready to recommend neuraxial anesthesia and peripheral nerve blocks during the COVID-19 pandemic? A pro-con

Michael N Singleton e Ellen M Soffin

Regional Anesthesia & Pain Medicine

23 de maio de 2020

http://dx.doi.org/10.1136/rapm-2020-101653 

 

Resumo:

A recente declaração conjunta da Sociedade Americana de Anestesia Regional e Medicina da Dor (ASRA) e da Sociedade Europeia de Anestesia Regional e Terapia da Dor (ESRA) recomenda bloqueios neuroaxial e periférico para pacientes com doença coronavírus 2019 (COVID-2019). Os benefícios das técnicas anestésicas e analgésicas regionais nos resultados dos pacientes e nos sistemas de saúde são evidentes. As técnicas regionais são agora promovidas adicionalmente como um mecanismo para reduzir os procedimentos de aerossolização. Entretanto, o tratamento de pacientes com a doença COVID-19 requer uma redefinição rápida dos riscos e benefícios – tanto para os pacientes quanto para os profissionais. Estes devem ser totalmente considerados dentro do contexto das evidências disponíveis e da opinião de especialistas. Neste Discurso Ousado, apresentamos duas perspectivas opostas sobre a adoção da recomendação ASRA/ESRA. As áreas de controvérsia na literatura e as oportunidades de pesquisa para abordar as lacunas de conhecimento são destacadas. Esperamos que isto estimule o diálogo e a pesquisa das melhores técnicas para melhorar os resultados dos pacientes e garantir a segurança dos profissionais durante a pandemia.

Neuropathogenesis and Neurologic Manifestations of the Coronaviruses in the Age of Coronavirus Disease 2019

Adeel S. Zubair, Lindsay S. McAlpine, Tova Gardin, Shelli Farhadian, Deena E. Kuruvilla e Serena Spudich

JAMA Neurology

29 de maio de 2020

http://jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jamaneurol.2020.2065 

 

 

Resumo

 

Importância:

A síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) surgiu em dezembro de 2019, causando a doença coronavírus humano de 2019 (COVID-19), que agora se espalhou para uma pandemia mundial. As manifestações pulmonares da COVID-19 têm sido bem descritas na literatura. Dois coronavírus humanos similares que causam a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) e a síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-1) são conhecidos por causar doenças no sistema nervoso central e periférico. Evidências emergentes sugerem que a COVID-19 também tem consequências neurológicas.

The Stanford Hall consensus statement for post-COVID-19 rehabilitation

Robert M Barker-Davies, Oliver O’Sullivan, Kahawalage Pumi Prathima Senaratne, Polly Baker, Mark Cranley, Shreshth Dharm-Datta, Henrietta Ellis, Duncan Goodall, Michael Gough, Sarah Lewis, Jonathan Norman, Theodora Papadopoulou, David Roscoe, Daniel Sherwood, Philippa Turner, Tammy Walker, Alan Mistlin, Rhodri Phillip, Alastair M Nicol, Alexander N Bennett, Sardar Bahadur

British Journal of Sports Medicine

31 de maio de 2020

http://dx.doi.org/10.1136/bjsports-2020-102596

 

Resumo:

O novo coronavírus (CoV) altamente infeccioso e patogênico, a síndrome respiratória aguda severa (SARS)-CoV-2, surgiu causando uma pandemia global. Embora a COVID-19 afete predominantemente o sistema respiratório, as evidências indicam uma doença multisistêmica que é frequentemente severa e resulta frequentemente em morte. Sequelas de longo prazo da COVID-19 são desconhecidas, mas as evidências de surtos anteriores de CoV demonstram comprometimento da função pulmonar e física, redução da qualidade de vida e angústia emocional. Muitos sobreviventes da COVID-19 que necessitam de cuidados críticos podem desenvolver deficiências psicológicas, físicas e cognitivas. Há uma clara necessidade de orientação sobre a reabilitação dos sobreviventes da COVID-19. Esta declaração de consenso foi desenvolvida por um painel de especialistas nas áreas de reabilitação, esporte e medicina do exercício (SEM), reumatologia, psiquiatria, prática geral, psicologia e dor especializada, trabalhando no Defence Medical Rehabilitation Centre, Stanford Hall, Reino Unido. Sete equipes avaliaram evidências para os seguintes domínios relacionados às exigências de reabilitação COVID-19: pulmonar, cardíaca, SEM, psicológica, musculoesquelética, neurorreabilitação e medicina geral. Uma cadeira combinou recomendações geradas dentro das equipes. Um comitê de redação preparou a declaração de consenso de acordo com a avaliação das diretrizes de pesquisa e critérios de avaliação, classificando todas as recomendações com níveis de evidência. Os autores pontuaram seu nível de concordância com cada recomendação em uma escala de 0 a 10. Chegou-se a um acordo substancial (escala de 7,5-10) para 36 recomendações, após uma reunião de acordo presidida que contou com a participação de todos os autores. Esta declaração de consenso fornece uma estrutura abrangente assimilando evidências e prováveis exigências de reabilitação multidisciplinar após a doença de COVID-19, para uma população alvo de indivíduos ativos, incluindo pessoal militar e atletas.

Gastrointestinal involvement in COVID-19: a systematic review and meta-analysis

Theodore Rokkas

Annals of Gastroenterology

6 de junho de 2020

https://doi.org/10.20524/aog.2020.0506

 

Resumo

Antecedentes:

Pacientes com COVID-19 geralmente manifestam febre e sintomas respiratórios. Entretanto, alguns pacientes também apresentam sintomas gastrointestinais (GI), como diarreia, vômitos e dor abdominal. Além disso, o RNA SRA-CoV-2 foi detectado em fezes de pacientes infectados. Atualmente, há um enorme interesse crescente em pesquisas sobre esta doença potencialmente letal. Nós revisamos e meta-analisamos sistematicamente as evidências que sugerem o envolvimento do sistema digestivo na COVID-19.

 

Métodos:

Os bancos de dados PubMed, Medline e Embase foram pesquisados até 10 de abril de 2020, usando palavras-chave adequadas. Taxas de prevalência individuais e agrupadas com intervalos de confiança de 95% (IC) foram calculadas usando o modelo de efeitos fixos ou aleatórios, conforme apropriado. A heterogeneidade entre os estudos foi calculada empregando o teste Q da Cochran e os valores I2, enquanto que a possibilidade de viés de publicação foi examinada através da construção de lotes de funil. Além disso, foram realizadas análises de subgrupos e de sensibilidade.

 

Resultados:

Em pacientes adultos COVID-19, as taxas de prevalência (IC95%) para todos os sintomas GI, e separadamente para diarreia, náusea/vômito, e desconforto abdominal/dores foram 9,8% (6,4-14,7), 10,4% (IC95% 7,7-13,9), 7,7% (IC95% 4,8-12,1), e 6,9% (IC95% 3,9-11,9), respectivamente. As taxas de prevalência para crianças foram 9,6% (IC 95%CI 6,3-14,3) para todos os sintomas, 9,6% (IC 95%CI 6,3-14,3) para diarreia, e 6,8% (IC 95%CI 4,2-11) para náusea/vômito. Em 30,3% (IC 95% CI 10,5-61,6) dos pacientes SARS-CoV-2 RNA foi detectado nas fezes.

 

Conclusões:

Uma porcentagem de pacientes com COVID-19 irá manifestar sintomas do sistema digestivo. O trato gastrointestinal pode ser um órgão alvo e uma via de transmissão potencial do SRA-CoV-2, com implicações importantes para o manejo e transmissão da doença.

No current evidence supporting risk of using Ibuprofen in patients with COVID‐19

Paulo Ricardo Martins Filho, Edmundo Marques do Nascimento Júnior e Victor Santana Santos

The International Journal of Clinical Practice

7 de junho de 2020

https://doi.org/10.1111/ijcp.13576

 

Resumo:

O SARS-CoV-2 é um novo vírus RNA que infecta células que expressam o receptor da enzima conversora de angiotensina (ACE2) e está associado a uma doença respiratória aguda chamada COVID-19. Foi levantada a hipótese de que a expressão da ACE2 pode ser aumentada pelo Ibuprofeno levando a um maior risco de COVID-19 grave (1). Apesar da razoável formação mecanicista e dos resultados de estudos que sugerem que o Ibuprofeno pode estar associado a complicações da pneumonia adquirida na comunidade em crianças (2,3), não há evidência atual de que este AINE agrave uma infecção por SARS-CoV-2 em qualquer faixa etária.

COVID-19 presenting as severe, persistent abdominal pain and causing late respiratory compromise in a 33-year-old man

Sarah Catherine Walpole, Rebecca McHugh, Julie Samuel e Matthias Ludwig Schmid

BMJ Case Reports

16 de junho de 2020

http://dx.doi.org/10.1136/bcr-2020-236030

 

Resumo:

Um homem de 33 anos de idade apresentou repetidamente dores abdominais graves e diarreia. Suspeitou-se de cólica renal e ele foi admitido para tratamento da dor. O questionamento provocou um histórico adicional de dor de garganta e tosse seca e leve. Os marcadores inflamatórios foram levemente levantados (proteína C reativa (CRP) 40 mg/L). Os esfregaços nasofaríngeos iniciais foram negativos para a síndrome respiratória aguda coronavírus-2 (SARS-CoV-2) por PCR. A TC dos rins, ureteres e bexiga (TC KUB) foi normal; entretanto, a TC do tórax mostrou áreas periféricas bilaterais multifocais de consolidação consistente com a infecção COVID-19. Ele desenvolveu comprometimento respiratório e foi transferido para a unidade de terapia intensiva (UTI). O rendimento foi positivo para SRA-CoV-2 por PCR, e a cultura cresceu Yersinia enterocolitica. Ele se recuperou após tratamento e gerenciamento de suporte com piperacilina-tazobactam.

Involvement of digestive system in COVID-19: manifestations, pathology, management and challenges

Song Su, Jun Shen, Liangru Zhu, Yun Qiu, Jin-Shen He, Jin-Yu Tan, Marietta Iacucci, Siew C Ng, Subrata Ghosh, Ren Mao, Jie Liang

18 de junho de 2020

https://doi.org/10.1177/1756284820934626

 

Resumo:

A pandemia da nova doença coronavírus (COVID-19) se desenvolveu como uma tremenda ameaça à saúde global. Embora a maioria dos pacientes da COVID-19 apresente sintomas respiratórios, alguns apresentam sintomas gastrointestinais (GI) como diarréia, perda de apetite, náuseas/vômitos e dores abdominais como as principais queixas. Estas características podem ser atribuídas aos seguintes fatos: (a) A COVID-19 é causada pela síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SRA-CoV-2), e sua enzima receptora angiotensina conversora 2 (ACE2) foi encontrada altamente expressa em células epiteliais GI, fornecendo um pré-requisito para a infecção pela SRA-CoV-2; (b) O RNA viral do SRA-CoV-2 foi encontrado em amostras de fezes de pacientes infectados, e 20% dos pacientes mostraram presença prolongada de RNA do SRA-CoV-2 em amostras fecais após a conversão do vírus em negativo no sistema respiratório. Estas descobertas sugerem que o SARS-CoV-2 pode ser capaz de infectar e replicar ativamente no trato gastrointestinal. Além disso, a infecção por GI pode ser a primeira manifestação de sintomas respiratórios precoces; pacientes que sofrem apenas sintomas digestivos, sem nenhum sintoma respiratório como manifestação clínica também foram relatados. Portanto, as implicações dos sintomas digestivos em pacientes com COVID-19 é de grande importância. Nesta revisão, resumimos descobertas recentes sobre a epidemiologia do envolvimento do trato gastrointestinal, mecanismos potenciais de transmissão fecal-oral, manifestação gastrointestinal e hepática, características patológicas/histológicas em pacientes com COVID-19 e o diagnóstico, manejo de pacientes com GI e doenças hepáticas pré-existentes, bem como precauções para prevenir a infecção pelo SRA-CoV-2 durante procedimentos de endoscopia gastrointestinal.

The emerging spectrum of COVID-19 neurology: clinical, radiological and laboratory findings

Ross W Paterson, Rachel L Brown, Laura Benjamin, Ross Nortley, Sarah Wiethoff, Tehmina Bharucha, Dipa L Jayaseelan, Guru Kumar, Rhian E Raftopoulos, Laura Zambreanu

Brain

8 de julho de 2020

https://doi.org/10.1093/brain/awaa240

 

Tipo de estudo:

Série de casos

 

Nível de evidência:

4 (Série de casos)

 

População:

Pacientes com COVID-19 apresentando síndromes neurológicas

 

Resultados:

Dados clínicos e paraclínicos coletados de 43 casos consecutivos com COVID-19 confirmados através de RNA PCR, ou com doença provável/possível de acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde, e que apresentam sintomas neurológicos. Cinco categorias principais são descritas:

(i) encefalopatias (n= 10) com delírio/psicose e sem anormalidades distintas de ressonância magnética ou LCR, com 9 pacientes fazendo uma recuperação total ou parcial apenas com cuidados de suporte;

(ii) síndromes inflamatórias do SNC (n= 12), incluindo encefalite, encefalomielite aguda disseminada e mielite isolada. Destes, 10 foram tratados com corticosteroides, e um paciente morreu;

(iii) derrames isquêmicos (n= 8) associados a um estado pró-trombótico (quatro com tromboembolismo pulmonar), um dos quais morreu;

(iv) distúrbios neurológicos periféricos (n= 8), sete com síndrome de Guillain-Barré, um com plexopatia braquial, seis fazendo uma recuperação contínua; e

(v) desordens centrais diversas (n=5) que não se enquadravam nas categorias acima.

 

Implicações:

Tais síndromes têm semelhanças com aquelas descritas nas outras epidemias de coronavírus (síndrome respiratória aguda grave (SARS) em 2003, e síndrome respiratória aguda do Oriente Médio (MERS) em 2012). Entretanto, o número total de indivíduos infectados foi muito menor, e as apresentações neurológicas foram poucas em comparação com as que foram reconhecidas na atual pandemia.

 

Comentários:

Este é provavelmente o relatório clínico mais detalhado sobre a natureza das síndromes neurológicas associadas à COVID-19. Para ser contrastado com o relatório anterior do grupo de Strasbourg (Helms et al. NEJM 2020) que descreveu essencialmente encefalopatia com agitação, confusão e sinais do trato corticospinal em 64 pacientes, assim como outros relatórios menos abrangentes (Guan et al. NEJM 2020; Mao et al. JAMA Neurol 2020; Varatharaj et al., Lancet Psyc)

Coronavirus disease 2019 (COVID-19) and ischemic colitis: An under-recognized complication

Kok Hoe Chan, Su Lin Lim, Ahmad Damati, Siva Prasad Maruboyina, Leena Bondili, Amany Abu Hanoud e Jihad Slim.

The American Journal of Emergency Medicine

26 de maio de 2020

https://doi.org/10.1016/j.ajem.2020.05.072

 

Case Report: COVID-19 Masquerading as an Acute Surgical Abdomen

Ashraf O. E. Ahmed, Mohamed Badawi, Khalid Ahmed e Mouhand F. H. Mohamed.

The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene

9 de junho de 2020

https://doi.org/10.4269/ajtmh.20-0559

 

Tipo de estudo:

Relatos de casos

 

Nível de evidência:

4 (Estudos de caso)

 

População:

Duas pessoas com COVID-19 se apresentando com dor abdominal

 

Resultados:

  • Caso 1

Homem, 73 anos de idade, hipertensão, doença renal em fase terminal e hemodiálise

Apresentado com febre, tosse, dispneia, diarréia hemorrágica

Desenvolveu dor abdominal aguda no quadrante inferior esquerdo com sangramento retal vermelho brilhante

PCR positivo para SARS-CoV-2

Anemia, leucopoenia, linfopenia

D-dímero nível 4226,0 ng/ml; aumento de ferritina CRP, procalcitonina

As radiografias torácicas demonstraram opacidades bilaterais e a tomografia abdominal sugeriu uma colite isquêmica. Anticoagulante prescrito

Estável por 5 dias, depois parada cardíaca e morte

  • Caso 2

Feminina, 61 anos, com histórico de diabetes mellitus tipo II

Histórico de três dias de tosse seca e dor abdominal não radiante por um dia

Dor aguda, severa, periumbilical, que começou de forma aguda naquela manhã

Positivo para SARS-CoV-2

A angiografia pulmonar por TC mostrou tromboembolismo na aorta torácica + abdominal. D-dímero 8264 ng/ml (>16 vezes normal)

Clinicamente significativo venoso e arterial que requeria ativador de plasminogênio tecidual

 

Implicações:

A coagulopatia associada à COVID-19 pode incluir tromboembolismo e pode se apresentar com dor abdominal ou embolia pulmonar. Em pacientes com sintomas de alerta, o aumento dos níveis de D-dímeros deve estimular uma investigação apropriada para detectar trombose.

 

Comentário:

Estes são exemplos de COVID-19 que se apresentam com dor abdominal como apresentando sintomas. A coagulopatia associada à COVID-19 pode piorar o prognóstico, por causa da isquemia intestinal não detectada. D-Dimer é uma investigação importante se houver suspeita de coagulopatia nestes pacientes.

Outros casos de COVID-19 relacionados ao abdômen agudo-pseudo-cirúrgico foram relatados.

Novel Coronavirus (COVID-19) – Associated Guillain-Barré Syndrome: Case Report.

Sandeep Rana, Arthur A. Lima, Rahul Chandra, James Valeriano, Troy Desai, William Freiberg e George Small.

Journal of Clinical Neuromuscular Disease

Junho de 2020

https://doi.org/10.1097/cnd.0000000000000309

 

Guillain–Barré syndrome associated with leptomeningeal enhancement following SARS-CoV-2 infection.

Agustín Sancho-Saldaña, Álvaro Lambea-Gil, Jose Luis Capablo Liesa, Maria Rosario Barrena Caballo, Maria Haddad Garay, David Rivero CeladaD, Marta Serrano-Ponz

Clinical Medicine Journal

Julio de 2020

https://doi.org/10.7861/clinmed.2020-0213

 

Tipo de estudo:

Relatos de casos clínicos

 

Nível de evidência:

Nível 4 (Série de casos)

 

Histórico do caso:

Comumente pacientes de meia-idade com testes RT-PCR positivos para COVID-19. Os sintomas típicos da COVID-19 como calafrios, febre, tosse seca, falta de ar podem ser pronunciados ou apenas suaves.

Os sintomas neurológicos geralmente começaram dentro de 4-10 dias após o início dos primeiros sintomas clínicos e incluíram lenta progressão da fraqueza motora dos membros inferiores e/ou superiores, ocasionalmente com envolvimento dos nervos faciais e/ou orofaríngeos ou paraestesias nos membros inferiores e/ou superiores e, às vezes, dificuldade em esvaziar a urina. Entretanto, os sintomas neurológicos podem mostrar uma grande variabilidade.

Após a punção lombar, o líquido cefalorraquidiano era freqüentemente negativo para a COVID-19 com uma concentração normal de proteínas e apenas alguns leucócitos. Os achados eletrofisiológicos geralmente indicaram uma polineuropatia desmielinizante, particularmente dos neurônios motores.

 

Intervenção:

A imunoglobulina intravenosa (400 mg/kg diários durante 5 a 7 dias) tem sido utilizada, após o que os sintomas clínicos melhoram rapidamente.

Comentário: A descoberta mais importante nestes relatos de casos é considerar a possibilidade de complicações neurológicas em pessoas com COVID-19, que geralmente são sintomas respiratórios. Além disso, a falta de ar não está relacionada exclusivamente à COVID-19 – pneumonia induzida, mas também pode – em casos raros – ser causada por patologia neuronal motora.

Compartilhe isto:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email